LIVRARIA CAPELA NOSSA SENHORA DA ASSUNÇÃO

 

 

O livro é um tratado De Novissimis, ou seja, dos fins últimos. Tem por objetivo iluminar as almas e fazê-las tomar consciência da extensão de suas responsabilidades; busca afastar da perdição aquelas que estão no caminho da condenação; instruir pela doutrina do Purgatório as que cometem freqüentemente o pecado venial deliberado, e não pensam em expiar suas faltas mortais já perdoadas pelo tribunal da Penitência.

COMPRAR ONLINE


Preço: R$ 70,00

Descrição Completa

O livro é um tratado De Novissimis, ou seja, dos fins últimos. Tem por objetivo iluminar as almas e fazê-las tomar consciência da extensão de suas responsabilidades; busca afastar da perdição aquelas que estão no caminho da condenação; instruir pela doutrina do Purgatório as que cometem freqüentemente o pecado venial deliberado, e não pensam em expiar suas faltas mortais já perdoadas pelo tribunal da Penitência. Pretende dar, principalmente, uma ideia elevada do Céu, da beatitude eterna, seja por oposição ao Inferno, seja pelo atraso da visão beatífica que faz sofrer tanto as almas do Purgatório, seja, enfim, pela elevação infinita de nosso fim último sobrenatural: o próprio Deus, visto claramente como Ele se vê e amado como Ele se ama, Deus possuído sem que haja qualquer possibilidade de o perder.

<< retornar ao catálogo

Dom Marcel Lefebvre, não estará o senhor à beira de um cisma?

  • Esta é a pergunta que a si próprios fazem muitos católicos após saberem das últimas sanções tomadas por Roma contra nós. Na maioria dos casos, os católicos definem ou imaginam o Cisma como uma ruptura com o Papa. Não levam além sua indagação. Se o senhor vai romper com o Papa ou se o Papa vai romper com o senhor, temos pois um Cisma.

  • Porque romper com o Papa constitui um Cisma? Porque, onde está o Papa está a Igreja Católica. Logo seria apartar-se da Igreja Católica. Ora, a Igreja Católica é uma realidade mística que existe não apenas no espaço, sobre a superfície da terra, mas também no tempo e na eternidade. Para que o Papa represente a Igreja e seja dela a imagem, é preciso que esteja unido a ela tanto no espaço como no tempo já que a Igreja é uma Tradição viva na sua essência. Na medida em que o Papa se afastar dessa Tradição estará se tornando cismático, terá rompido com a Igreja.Teólogos como São Belarmino, Caetano, o cardeal Journet e muitos outros estudaram essa eventualidade. Não se trata, pois, de uma coisa inconcebível.

  • Quanto a nós, é o Concílio Vaticano II, suas reformas, suas orientações oficiais que nos preocupam, mais do que a atitude pessoal do Papa, mais difícil de ser perscrutada.

  • Este Concílio representa, tanto aos olhos das autoridades romanas quanto aos nossos, uma nova Igreja que, aliás, eles próprios chamam de Igreja Conciliar.

  • Cremos poder afirmar, atendo-nos à crítica interna e externa do Vaticano II, isto é, analisando os textos e estudando seus antecedentes e suas conseqüências que este Concílio, virando as costas para a Tradição e rompendo com o passado da Igreja, é cismático.

  • Um pacto de não-agressão foi firmado entre a Igreja e a maçonaria. É o que está mascarado pelas palavras "aggiornamento", "abertura para o mundo" ou "ecumenismo".

  • A Igreja aceitaria doravante não ser mais a única religião verdadeira, a única via para a salvação eterna. Ela reconheceria como religiões-irmãs as outras religiões. Reconheceria como um direito concedido pela natureza da pessoa humana que esta pessoa é livre de escolher sua religião e que, portanto, a existência de um Estado católico seria inadmissível.

  • Se admitirmos este novo princípio, temos que mudar toda a doutrina da Igreja, seu culto, seu sacerdócio, suas instituições. Pois tudo, até então, na Igreja, manifestava que Ela era a única a possuir a Verdade, o Caminho e a Vida em Nosso Senhor Jesus Cristo que ela, a Igreja, é a única a deter em pessoa, na Santa Eucaristia, onde, Ele está presente, graças à continuação de seu Sacrifício. Logo é uma inversão total da Tradição e do ensino da Igreja que está se operando, depois do Concílio e pelo Concílio.

  • Como poderíamos nós, por obediência servil e cega, fazer o jogo desses cismáticos que nos pedem colaboração para seus empreendimentos de destruição da Igreja?

  • Eis porque estamos prontos e submissos para aceitar tudo o que for conforme à nossa fé católica, tal como foi ensinada durante dois mil anos mas recusamos tudo o que lhe é contrário.